EUA: Base ideal para internacionalização de empresas

Carlo Barbieri
Posted on junho 22, 2018, 3:06 pm
5 mins

Todos os empreendedores tem uma clara visão da necessidade de terem seus negócios e sua própria família com segurança, que advém de se internacionalizarem. Do ponto de vista econômico, os EUA tem se tornado o desejo e destino de empresas da maior parte do mundo, por sua segurança jurídica, a forca de sua moeda e a estabilidade de suas instituições: ou seja, a base ideal para internacionalização.

Recentemente, esta possibilidade transformou em um desejo irrefreável e lógico.

Os EUA têm demostrado forca internacional, e voltou a ser um baluarte internacional ao defenestrar o ISIS do Iraque e trazer a Coreia do Norte a ter que se desnuclearizar para sobreviver.

O atual governo, do ponto de vista econômico, tem implementado uma profunda desregulamentação, para agilizar a economia e tirar custos desnecessários e retardadores do progresso.

Com a confiança do mercado, valorizou a poupança do americano e nos que investem nos EUA. Mais de $7 trilhões foram acrescidos ao valor das inversões nas bolsas de valores.

A taxa de crescimento tem sido o dobro da obtida, em média, nos últimos 8 anos.

Com a reforma tributária, os EUA estão atraindo milhares de matrizes de suas empresas de volta para o país, e muitos outros empreendedores estão visualizando a possibilidade de instalarem suas bases de operações mundiais a partir dos EUA.

Estas duas razoes:

  • Impostos baixos para as empresas (caíram de 35% para 21%);
  • Mudança do conceito, em que passa a taxação americana ser territorial e não mundial para as empresas que operam em outros países, o que faz com que, na prática, em especial nos países com tratados tributários, os lucros obtidos em outros países não são taxados ao serem trazidos para os EUA,

A transferência das sedes está sendo galopante.

Isto trará mais recursos a serem investidos nos EUA e estimularão, ainda mais a economia.

Por outro lado, a insegurança pessoal, jurídica e institucional e a precária capacidade de recuperarão econômica está fazendo com que, mesmo mantendo sua atuação no Brasil, as empresas estejam se organizando para se internacionalizar e os EUA passam a ser o seu destino principal.

O maior mercado do mundo tende a se fortalecer em bases reais a curto e médio prazo, com incorporação de novos e mais fortes consumidores. Nunca antes nos EUA, afro descendentes atingiram o ganho real de salários como no último ano.

O nível de desemprego caiu para 3,8% a nível nacional, aumentando a confiança dos consumidores e levando-os mais as compras de produtos e serviços.

O nível de “food stamp”, o bolsa família americano atingiu seu mais baixo nível em décadas.

E, se sair a segurança das fronteiras, teremos a regularização de milhões de indocumentados que criará uma nova onda de crescimento econômico e de sustentação dos programas assistenciais do governo.

Os EUA é um dos países mais incentivadores do empreendedorismo. A empresa é aberta por internet, não há leis trabalhistas, pelo menos na Flórida, não há impostos nas pessoas jurídicas, a não ser nas corporações, na Flórida não tem imposto de renda na pessoa física, existem várias formas de incentivo neste estado, assim como em outros.

Como vemos, pensar em internacionalização é uma questão de segurança no futuro da empresa. Pensar em EUA neste processo é a melhor opção.

Carlo Barbieri
Empresário e Consultor

CEO do Grupo Oxford Carlo Barbieri é formado em Economia e em Direito e fez mais de 60 cursos de especialização no Brasil e no exterior.

Leave a Reply

  • (not be published)