Carlo Barbieri
Posted on abril 03, 2018, 4:40 pm
9 mins

Existe um antigo ditado que diz “se você perguntar a quatro advogados por sua opinião sobre o mesmo assunto, você obterá 5 respostas diferentes”.

O mesmo serve para os economistas – particularmente agora quando a condição fiscal do país parece sofrer com uma frequente e drástica flutuação, podemos dizer que diariamente, com períodos onde a bolsa de valores cresce em um dia e sofre queda no dia seguinte.

Estamos quase na metade do segundo ano do mandato presidencial de Donald Trump. O executivo-chefe resistiu às previsões iniciais de que o desastre econômico reinaria em seu governo, mais ainda, o quadro financeiro não apenas foi mantido como também foi melhorado.

O mercado de ações subiu como uma águia quando Trump se tornou presidente e foi morar no 1600 Pensilvânia Ave, embora tenha caído em muitas ocasiões nos últimos tempos.

Os cidadãos comuns estão tendo mais dinheiro em seus envelopes de pagamento nos dias de hoje, apesar das alegações de políticos equivocados que acham que esse dinheiro não representa nada além de “migalhas”.

Em um esforço para obter uma imagem equilibrada da situação monetária do país, recorremos a algumas pessoas renomadas no campo de finanças e economia para entender o que está acontecendo com o dólar americano e por que não conseguimos obter uma resposta direta sobre a qual construir uma opinião certeira.

“De um modo geral, as perspectivas de contínua expansão econômica em 2018 parecem razoavelmente claras”, disse William Dudley, presidente do Banco de Reserva Federal de Nova Iorque (Federal Reserve Bank of New York). Em um discurso recente, ele disse: “A economia deve continuar a crescer a um ritmo acima da tendência, o que deve levar a um mercado de trabalho mais apertado e a um crescimento salarial mais rápido”.

“Ao longo prazo, entretanto, sou consideravelmente mais cauteloso com as perspectivas econômicas”, acrescentou. “Manter a economia em um caminho sustentável pode se tornar mais desafiador”.

Ele disse que a Lei de Cortes de Impostos e Empregos recentemente aprovada em 2017 provavelmente fornecerá “apoio adicional ao crescimento no curto prazo, [mas] isso terá um custo”.

“A legislação [acima mencionada] aumentará o ônus fiscal de longo prazo do país, que já enfrenta outras pressões, como custos dos serviços de dívida mais elevados e gastos com benefícios, à medida que a geração nascida após a Segunda Guerra Mundial, também conhecida como baby boomer se aposenta”.

“Embora isso não pareça ser uma grande preocupação para o mercado atualmente, o caminho fiscal atual é insustentável. No longo prazo, ignorar a matemática orçamentária aumenta os riscos das taxas de juros de longo prazo, eliminando o investimento do setor privado e diminuindo a credibilidade do país. Essa dinâmica pode neutralizar quaisquer efeitos diretos favoráveis ​​que o pacote fiscal possa ter sobre os gastos de capital e o produto em potencial”.

Além disso, a economia dos EUA deve ser bem apoiada pela recente melhora nas perspectivas econômicas globais. Mais recuperações cíclicas na Europa e no Japão – e um reavivamento do crescimento em muitas economias de mercado emergentes – devem garantir que a demanda por bens e serviços dos EUA permaneça forte.

Com tudo isso, eu aumentei minha previsão real do PIB para 2018 em cerca de meio ponto percentual, para três quartos de um ponto percentual – de uma faixa de 2,5% para 2,75%. Cerca de um terço desta revisão para cima reflete o momento mais firme da economia em 2018 e cerca de dois terços do impacto simulado da legislação tributária.

Bill Conerly, um colaborador da revista Forbes, ofereceu as seguintes sugestões: “Minha previsão econômica para 2018 é moderadamente positiva, como expliquei em artigos publicados recentemente onde detalhei as previsões para habitação, gastos do consumidor e gastos de capital para empresas. Mas as coisas podem dar errado, até mesmo com uma recessão. Qualquer um que esteja absolutamente convencido de que não podemos evitar uma recessão neste ano é excessivamente confiante em sua capacidade de entender a economia”.

A causa mais provável de uma recessão neste ano seria uma redução acentuada por parte dos consumidores. Eu avisei na minha previsão anterior de gastos do consumidor que o crescimento dos gastos é significativamente maior do que o crescimento da renda. Todos conhecemos pessoas reclamonas que andam dizendo que os outros estão gastando além de suas possibilidades, mas não há dados que suportem essa hipótese.”

“No entanto, ao longo de 2017, o investimento na poupança diminuiu, uma vez que o crescimento do rendimento mais baixo dos consumidores não desencadeou em um crescimento mais lento dos gastos. E note que esta discussão é sobre as taxas de crescimento, não o nível real de gastos. Eu acredito que os ​​consumidores provavelmente reduzirão um pouco seus gastos, com um risco de que cortem muito. O gatilho habitual de reduções de gastos é a perda de empregos – o que não aconteceu ultimamente, e não vai acontecer a menos que surja alguma outra coisa”.

O mercado de ações parece ter precificado todas as possíveis boas notícias, e somente um pouco de desapontamento para os investidores já pode levar a uma liquidação de ações na bolsa. No entanto, o impacto do mercado de ações na economia é geralmente muito menor do que o inverso: como a economia afeta o mercado de ações. O canal que causa flutuação geralmente funciona através dos gastos de capital das empresas, o que é fraco quando os preços das ações estão baixos.

“Nenhuma das causas potenciais de uma crise em 2018 parecem muito forte”, disse Conerly. “No entanto, algumas pequenas probabilidades somam uma probabilidade maior de algo dar errado. Em minha própria estimativa do risco de recessão, estou sendo cauteloso com base no histórico de recessões previstas pelos economistas. Nós não fizemos um bom trabalho no passado, então devemos ser humildes sobre se veremos com antecedência o próximo período de crise.”

Apesar de tudo que foi dito por pessoas altamente esclarecidas e que respeito, mesmo com suas opiniões divergentes, não acredito em recesso a curto prazo, muito pelo contrário. Os investimentos de empresas estrangeiras, demonstram a confiança dos investidores no mundo inteiro, assim como a volta das empresas americanas restabelecendo as bases nos EUA, comprovam isso.

Carlo Barbieri
Empresário e Consultor

CEO do Grupo Oxford Carlo Barbieri é formado em Economia e em Direito e fez mais de 60 cursos de especialização no Brasil e no exterior.

Leave a Reply

  • (not be published)